Fundação Santo André expõe em feira de profissões

A Fundação Santo André (FSA) participará da feira de profissões do colégio Petrópolis, em São Bernardo, no próximo dia 27 de abril, onde apresentará informações sobre as áreas de conhecimento, possibilidades de atuação no mercado e seus cursos disponíveis a cerca de 470 alunos do ensino Fundamental II e Médio.

Esta será a segunda participação da instituição em feiras de profissões este mês, de uma vasta agenda de eventos do gênero previstos para 2019. Na primeira feira, realizada por colégio de São Paulo para um universo de 200 alunos, mais de 100 deles procuraram informações no estande da FSA sobre áreas e cursos. Cadastrados eletronicamente em um sistema interativo durante o próprio evento, cada um deles receberá em casa as informações sobre as áreas de atuação e os cursos, além de respostas às suas dúvidas.

Para Luiz Carlos Barbosa Lima, professor de Gestão de Recursos Humanos da FSA, as feiras de profissões cada vez mais assumem papel de destaque nos mercados atuais, em que as multicarreiras são uma tendência.

“O mercado está em transformação, novas áreas e possibilidades de carreira estão surgindo e o estudante precisa de foco naquilo que pretende fazer em sua vida profissional; para isso necessita de conhecimento sobre as opções, e as feiras podem mudar o rumo desses jovens quando mostra a eles oportunidades que antes não conheciam“, diz. 

O especialista destaca ainda que a mudança de área no decorrer da vida profissional é também uma tendência que está chegando ao Brasil e que é bem aceita no mercado de maneira geral, desde que as áreas sejam colaborativas. “Algumas empresas mais tradicionais, como as multinacionais precisam de especialistas e ainda dão preferência a carreiras com esse perfil”, observa.

Barbosa Lima aponta ainda a importância de recursos como teste vocacional, que auxilia o estudante a descobrir suas aptidões e manter o foco mesmo no desenvolvimento de uma carreira múltipla. “O teste pode ajudar muito no direcionamento a carreiras que têm um espectro maior de possibilidades, sem que o estudante perca o seu objetivo de escolha”, ensina.